segunda-feira, 3 de setembro de 2012

OS PIORES ERROS QUE UM COMANDANTE PODE COMETER!!




Caros amigos, durante este pouco tempo que estou envolvido com a vela já fiz muitas bobagens no comando do meu veleiro (como vcs podem ver em muitos dos posts deste blog), mas já li, ouvi e vi muita gente fazendo bobagem também, então resolvi enumerar as maiores bobagens que se pode fazer em um veleiro, vamos lá:
- Encalhar o Bicho é clássico né?
- Deixar acabar a gasolina
- Deixar cair a âncora no pé (amigos doe viu, experiência própria)
- Velejar com a mestra fora do trilho do mastro (ehehe eu já fiz)
- Deixar de amarrar o motor, e ver o bichinho afundar como uma pedra....!!!! (arrepia só de pensar)
- Tomar uma ducha de esgoto no peito (o amigo estava no lugar errado e na hora errada, não fui eu não viu)
- Colocar o barco na água sem leme (eu fiz também)

Vamos engrossar esta lista, quem souber de mais ca&&das coloquem nos cometários.
Vamos não tenham vergonha, afinal herrar é umano né???

18 comentários :

  1. Walnei, tenho um veleiro paturi (estar a venda no mercado livre), na primeira vez que coloque ele na agua, eu tá tão nevorso que não levei o mastro. bons ventos

    ResponderExcluir
  2. Não levar o mastro é boa heim, diga-nos qual o nome do veleiro e o link para do mercado livre, quem sabe aparece alguém aqui que queira comprá-lo.... vou cobrar comissão ehehe!!!!

    ResponderExcluir
  3. Fala Walnei,

    vamos engrossar a lista...
    - descer a âncora sem amarrar o cabo e ve-la afundar com todo o filame
    - colocar o bote sem tampar o bujão

    rsrsrsrs, e tem muito mais.

    BV
    Paulo Ribeiro
    veleiro Bepaluhê

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Paulo, esqueci de colocar deixar cair o remo quando estava no bote... ainda bem que flutua...

      Excluir
  4. Bom, já que todo mundo perdeu a vergonha, vou contar uma (de cada vez...):logo que comprei o Gaipava, resolvi deixar o motor na marina e o tanque de combustível no cockpit.Ocorre que existem dois ralinhos prá escoar água e eles estavam entupidos.Eu nem imaginava...aí, alto verão, chuva torrencial, o cockpit encheu d'água, o tanque boiou, balançou, e virou!! Vazou toda gasolina (uns 10 litros).Quando isso aconteceu, eu já estava em casa há muito tempo. Só fui entender o que aconteceu quando fui depois de uns 15 dias, e achei o cockpit com aquele cheiro nauseabundo, uma 'meleca' de dar dó, a pintura toda comprometida, o tanque virado de ponta cabeça,sem contar o perigo de incêndio, já que deve ter vazado aos poucos. Essa foi a primeira ca#¨&*da publicada. Habilitem-se por favor e vamos enriquecer esse tópico.rsrsrsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom saber, meu tanque (um galão de 20 litros) esta com a tampa baquiada, vou trocar imediatamente!!! ehehe

      Excluir
    2. tenho um atoll,boa essa meu barco esta com o cockpit entupido de craca como limpalo.

      Excluir
  5. Ihhhh, tenho uma vasta lista de orelhadas! Na época que tinha um barquinho menor, um marreco, cheguei a encalhar o barco em plena praia de Botafogo. O ocorrido se deu por uma soma de diversos fatores: excesso de cracas no leme (era tanta craca que o barco não respondia aos comandos), velas frouxas do motor de popa (quando fui dar partida nele elas pularam!) e cabo da âncora completamente enrolado no paiol (era tanta coca que não dava para dar um metro sequer de ferro)... Já no Atoll dei também minhas orelhadas, a primeira dela foi negligenciar a importância que uma boa corrente com uma boa âncora trazem para o fundeio, eu tinha uma danforth (a pior de todas) de 2,5 Kg, sem corrente e com uns 30 metros de cabo de fibra naturais... resultado: joguei dez vezes o ferro e não unhou de forma permanente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Matheus, sabe que em todo o fundeio eu tenho a impressão de que estou fazendo errado, falta confiança!!

      Excluir
  6. o link do veleiro é: http://veiculo.mercadolivre.com.br/MLB-245796384-veleiro-16-pes-cabinado-paturi-no-lazer-hobie-fast-_JM

    quanto as mancadas do atol já sair sem instalar o cabo da escota, depois foi um sufoco colocar com o vento forte e fiquei sem o motor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você não é o primeiro que sai sem colocar a escota viu...

      Excluir
  7. Bom, eu já dei minha contribuição (rs)... Das proezas listadas ai em cima eu já fiz todas (rs), e também já perdi mastros (plural) e lemes (plural) em veleiros sem motor! Depois até o motor eu resolvi perder! kk..., enfim, eu já fiz (e ainda ando fazendo) tanta cagada, que virei professor de vela!

    ResponderExcluir
  8. Juca, você poderia nos contar como perdeu os mastros e os lemes e como se virou em uma situação dessas... sabe, estive pensando bem e percebi que não amarro o motor, só amarro o leme, então a partir de hoje vou amarrar o motor... Sabe que da arrepios toda vez que penso nisso.
    Bons ventos comandante!

    ResponderExcluir
  9. Walnei, vamos por partes. O mar é um ambiente hostil e é preciso ter isso em mente. o barco é nossa célula de sobrevivência e devemos, ao máximo, contar com recursos que nos façam ficar dentro dele e secos em qualquer situação (seco o interior do barco, rs). A perda dos mastros ocorreu em um HC 14 que eu tinha e onde aprendi a velejar. Canal do porto de Santos. Eu me virei com um remo, a maré a favor e muita paciência... Os lemes foi em um dingue e em um laser. No dingue eu estava muito fora do Porto, depois da ultima bóia. Usei as pernas como leme, fiquei "meio no barco, meio fora" e trouxe o bnarco para a praia numa empopada. No laser consegui reboque. Nessa do motor, do jeito que foi, eu só fiquei meio assim por conta do preju ($$).Mas não me senti em perigo. Tinha vento, velas, leme e quilha. Tanto que nem pedi socorro, voltamos para a marina velejando (apenas com uma certa cara de bunda!). Quem vai ao mar, se avia em terra!

    ResponderExcluir
  10. Eu derrubei o mastro de um soling logo no cais após chegar de minha primeira velejada. Novato solicito em ajudar fui soltar o estai de popa para não prender no estropo do guindaste, só não me falaram que tinha que apoiar o mastro com o pau de spinaker, resultado mastro no trapiche e o top quebrado, prejuizo logo na primeira velejada...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A primeira velejada é sempre bem complicada né?? Na minha estréia eu acabei dentro da água para desencalhar o barco e o pior tinha platéia e tudo...

      Excluir
  11. Quando velejava de Guanabara (barco de madeira) tive um incidente: com muitos amigos (as) a bordo e muito bom vento, caçei os panos para fazer bonito e então crash: O mastro não resistiu e se partiu, tombando a sotavento junto com os estais e panos. Daí foi recolher os destroços e ligar o motor. Somente a retranca (um toco de madeira maciça) pesava tanto que o barco nem possuia burro...
    Felizmente a tralha caiu ao mar e não feriu ninguém.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...